Patrocínio Logo TV Alterosa
Euro R$ 0,00
Dólar R$ 0,00
º º

Já começou o vazio sanitário do algodão e do feijão em Minas

Durante esse período os produtores não podem cultivar ou manter plantas vivas nas lavouras de todo o estado

Produtores de algodão devem ficar atentos ao período de vazio sanitário. (Foto: Embrapa)
Ricardo Miranda
6 de outubro de 2021
compartilhe

O IMA, Instituto Mineiro de Agropecuária, pretende fiscalizar presencialmente pelo menos 124 propriedades rurais no estado para garantir o cumprimento do vazio sanitário do algodão e do feijão. O objetivo dessa medida é reduzir a incidência de pragas, como o bicudo do algodoeiro, mosaico dourado e mosca branca.

Objetivo da medida é prevenir pragas que podem causar prejuízos nas lavouras. (Foto: Embrapa)

Durante o vazio sanitário os produtores ficam proibidos de cultivar ou manter plantas vivas e remanescentes de safras anteriores. “O cumprimento do manejo contribui para reduzir o número de ocorrências das pragas e aumentar saúde e produtividade da lavoura. Se detectadas quaisquer tipos de inconformidades durante a fiscalização, o produtor é notificado e tem um prazo máximo de 10 dias para erradicar as plantas presentes na propriedade”, destaca o gerente de Defesa Sanitária Vegetal do IMA, o engenheiro agrônomo Nataniel Nogueira.

Este ano a fiscalização do IMA será feita de forma presencial. A expectativa é visitar ao menos 50 lavouras de algodão e 74 de feijão. Se as irregularidades encontradas pelas equipes não forem solucionadas dentro do prazo estabelecido, o auto de infração é lavrado. Os produtores também são obrigados a erradicar as plantas voluntárias de feijão e de algodão. “Ou seja, aquelas que nascem espontaneamente nas áreas produtivas e que devem ser eliminadas para não servirem de hospedeiras para as pragas”, orienta o engenheiro agrônomo.

Atenção ao prazo

De acordo com o IMA, as plantações de algodão de todo o estado devem cumprir o vazio sanitário de dois meses entre os dias 20/09 e 20/11. No caso de propriedade com áreas irrigadas localizadas abaixo de 600 metros de altitude, a medida vai de 30/10 a 30/12.

Já no caso do feijão, o vazio sanitário acontece simultaneamente com o Distrito Federal e Goiás, que fazem divisa com Minas Gerais. O objetivo é potencializar os efeitos da medida. Produtores da região Noroeste do estado devem obedecer às regras de manejo por 30 dias entre 20/09 e 20/10.

compartilhe