Patrocínio Logo TV Alterosa
Euro R$ 6,42
Dólar R$ 5,69
Sol com muitas nuvens durante o dia. Períodos de nublado, com chuva a qualquer hora.
Belo Horizonte
26º 18º

Café bate recorde com demanda em alta e condições climáticas adversas

Grão encerrou dezembro a R$ 1.273,00, com alta de 76%

(Foto: Coopercam)
Guto Moreira
4 de janeiro de 2022
compartilhe

O preço do café negociado no mercado bateu recorde histórico durante todo o ano de 2021, em meio a um cenário de demanda externa aquecida e menor oferta em vários países produtores por conta das condições climáticas.

Segundo levantamento da empresa de mercado financeiro Bloomberg, na Bolsa de Nova Iorque o preço do café encerrou dezembro cotado a US$ 226,10 (R$ 1.273), com uma alta de cerca de 76% em comparação ao mesmo período de 2020. No segundo semestre, ondas de frio intenso trouxeram impacto tanto para plantações quanto para o bolso de consumidores no país. A temperatura em queda livre no período, acompanhada de geada, causou estragos no campo e, assim, tende a pressionar preços de produtos cultivados em parte do Sul e do Sudeste.

No Sul de Minas, a preocupação é com relação ao impacto na safra de 2022. Com boa parte dos cafezais queimada pelo frio, a fase após a colheita será de tratos culturais intensos para a recuperação das lavouras, que já vinham sofrendo, desde a primavera de 2020, com prolongado período de estiagem.

Produtos como café, hortaliças e frutas integram a lista de mercadorias que ficam mais caras em caso de novos prejuízos nas plantações. Felippe Serigati, pesquisador do centro de estudos FGV Agro, ressaltou que as temperaturas em queda trazem preocupação para o campo. Caso haja perda em lavouras, o impacto certamente chegará aos consumidores.

“Esse efeito nos preços não chega às prateleiras dos supermercados imediatamente, mas chega. O impacto tende a ser mais rápido naqueles produtos de ciclo mais curto, como hortifrúti”, comentou Felippe.

Números da safra 2021

A safra de café do Brasil em 2021 foi estimada em 47,7 milhões de sacas de 60 kg, apontou a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento), que aumentou a previsão citando produtividade acima do esperado. A Conab ainda citou uma queda de 24,4% na produção de café do país no ano passado.

compartilhe