Patrocínio Logo TV Alterosa
Euro R$ 5,41
Dólar R$ 5,13
Sol com algumas nuvens. Não chove.
Belo Horizonte
28º 13º

IMA acompanha vacinação contra aftosa em locais com alto risco de contágio

Campanha de imunização vai até 31 de maio e meta é vacinar 10 milhões de bovinos e bubalinos em Minas Gerais

Em Minas Gerais 10 milhões de bovinos e bubalinos devem ser vacinados. (Foto: Denise Guerra)
Ricardo Miranda
11 de maio de 2022
compartilhe

Na região Centro-Oeste do estado, fiscais do escritório do IMA, Instituto Mineiro de Agropecuária, em Divinópolis acompanham a vacinação contra febre aftosa. Em uma das propriedades visitadas, em São Sebastião do Oeste, o produtor rural Renato Malta deve imunizar 200 animais com menos de dois anos de idade.

Na fazenda do produtor Renato Malta 200 animais devem ser vacinados. (Foto: Denise Guerra)

A campanha de vacinação contra febre aftosa começou dia 1º de maio e vai até o fim do mês. “A vacinação é muito importante para que a gente mantenha o status de livre de febre aftosa. Isso nos dá mais segurança na comercialização dos animais”, explica o produtor rural que trabalha com venda, leilão e recria de gado. Os fiscais do IMA estiveram na fazenda do Renato e acompanharam a aplicação das doses.

Em todo o estado a meta é imunizar cerca de 10 milhões de bovinos e bubalinos com menos de dois anos de idade. Só na região sob responsabilidade do escritório do IMA em Divinópolis são cerca de 53 mil animais.

Fiscais do IMA acompanham aplicação das doses da vacina contra febre aftosa. (Foto: Denise Guerra)

Fiscalização do IMA

O escritório do IMA em Divinópolis também é responsável pela fiscalização em três cidades vizinhas: Carmo do Cajuru, São Gonçalo do Pará e São Sebastião do Oeste. Anualmente os fiscais do IMA definem as propriedades onde a vacinação será acompanhada. “É feito de acordo com critério de risco. A gente avalia as propriedades com maior risco de contaminação por febre aftosa e acompanha a vacinação nesses locais”, explica André Rodrigues, fiscal agropecuário do IMA.

O produtor que deixar de vacinar o gado está sujeito a multa de R$ 119,25 pra cada animal não imunizado. A comprovação da aplicação das doses também é obrigatória e deve ser feita até 10 de junho.

A equipe da TV Alterosa Centro-Oeste acompanhou o trabalho do IMA.

compartilhe