Patrocínio Logo TV Alterosa
Euro R$ 5,43
Dólar R$ 5,16
Sol com algumas nuvens. Não chove.
Belo Horizonte
26º 13º

22 toneladas de alimentos produzidas por detentos foram doadas

Produção mais do que dobrou, na comparação com o ano passado, e beneficia 826 instituições de caridade em Minas

44 unidades prisionais do estado possuem hortas. (Foto: Agência Minas)
Ricardo Miranda
22 de junho de 2022
compartilhe

Cerca de 140 detentos de 44 unidades prisionais do estado participam de um programa de produção de alimentos. De janeiro a maio deste ano mais de 22 toneladas de hortaliças, verduras, legumes e frutas foram doadas. O número é o dobro do volume produzido no mesmo período do ano passado, quando 8,9 mil quilos de alimentos foram entregues para as instituições de caridade.

22 toneladas de alimentos foram doadas de janeiro a maio deste ano. (Foto: Carlos Alberto / Imprensa – MG
Local)

De acordo com o governo do estado, das 44 unidades prisionais que possuem hortas, algumas se destacam devido ao volume de hortaliças e verduras produzidas: Penitenciária de Teófilo Otoni, Presídio de João Pinheiro, Penitenciária de Pará de Minas, Penitenciária de Uberaba, Penitenciária de Muriaé, Presídio de Janaúba, Presídio de Araguari, Penitenciária de Ribeirão das Neves I, Presídio de Araxá, Presídio de Itajubá, Presídio de Piumhi e Penitenciária de Governador Valadares.

Os alimentos produzidos pelos detentos são doados para instituições de caridade de todas as regiões do estado. As 22 toneladas colhidas de janeiro a maio deste ano beneficiaram 826 projetos de apoio a famílias carentes.

Vantagens

Alimentos são produzidos sem uso de agrotóxicos. (Foto: Agência Minas)

O projeto de cultivo de alimentos dentro das unidades prisionais possui várias vantagens, como o baixo custo de manutenção do projeto. As frutas, verduras, legumes e hortaliças são plantadas de forma orgânica, sem o uso de agrotóxicos nas hortas. A iniciativa também permite o aproveitamento de espaços vazios dentro das unidades prisionais. O programa é uma importante forma de profissionalização dos detentos através do trabalho social.

“As unidades prisionais se tornam mais aceitas pela sociedade quando conseguimos ajudar e retornar algo com o trabalho de quem está cumprindo pena. Ao mesmo tempo, proporcionamos uma ressocialização para esses detentos e fortalecemos relações do Depen-MG com instituições municipais, fechando mais parcerias e ajudando mais pessoas que precisam”, finaliza Rodrigo Machado, diretor-geral do Depen-MG.

compartilhe